Museu do Apartheid em Joanesburgo, África do Sul

Museu do Apartheid Joanesburgo

Ano que vem a África do Sul vai comemorar 20 anos do fim do apartheid, data que deve ser mais do que comemorada. E para tentar entender um pouco mais sobre esse momento vergonhoso da história do país, que eu fui até o Museu do Apartheid.

Hotel em Joanesburgo? Reserve conosco em parceria com a Booking.com!

Criado em 2001, o museu foi criado por investidores de um cassino bem próximo ao local, o Gold Reef City. A construção de algum complexo que incentivasse o turismo  foi exigência do governo para a liberação do espaço para o cassino. No fim das contas, todos ganharam.

E eu devo dizer que esse museu deveria ser visitado por todos que estiverem em Joanesburgo. Para entrar no espaço, alguns visitantes recebem um tíquete com a classificação racial “brancos” e outros “não-brancos”. E para aumentar ainda mais a sensação ruim, “brancos” e “não-brancos” possuem entradas distintas no museu. O meu tíquete saiu “não-branco” e eu fiquei imaginando como teria sido viver naquele período.

O que fazer em Joanesburgo-37

A organização das obras foram muito bem pensadas e, se você quiser, é possível ficar o dia todo aqui. São muitos os materiais e por isso, o ideal é vir aqui sem pressa: há diversos vídeos da época, fotografias e muitos textos espalhados pelas paredes explicando cada parte da história.

A exposição segue uma ordem cronológica com diversos materiais de apoio. É possível ver que desde o início do apartheid a política segregacionista era cruel. Existe uma boa parte de informações sobre quando os primeiros negros foram realocados para bairros distantes dos grandes centros – chamados de townships (veja como foi nossa visita ao Soweto e também a uma township em Durban) – pois eram proibidos de morar nas cidades.

Hotel em Joanesburgo? Reserve conosco em parceria com a Booking.com!

O que fazer em Joanesburgo-38

Apenas 13% das terras do país poderiam pertencer aos negros, que por sinal eram 80% da população. Negros não podiam votar e deveriam usar o transporte público específico para os não-negros. O casamento interracial era proibido e integrantes de famílias de mestiços –  chamados de colored – poderiam ser classificadas de raças diferentes. Imagina o problema?

Com o crescimento da ANC (African National Congress), os negros começaram a se mobilizar e lutar para uma mudança nas legislações. E foi aí que o seu mais célebre integrante começou a tomar força: o sr. Nelson Mandela.  Por conta de sua participação na luta contra o apartheid e por ter encabeçado alguns protestos espalhados pelo país, Mandela e outros integrantes da ANC foram presos. No caso de Mandela, a prisão foi por 27 anos. Imagina?

E quem diria que depois de solto, ele seria o primeiro presidente negro da história do país? E tudo isso está bem documentado no museu. E o mais bacana é ver a diferença de cores durante o passeio. No início, tudo era cinza, até chegar na liberação de Mandela e as cores começam a brotar das paredes. Foi uma ótima sacada!

Hotel em Jonesburgo? Reserve conosco em parceria com a Booking.com!

Informações

  • Endereço:  Gold Reef Rd & Northern Parkway (o ideal é pegar um táxi até aqui)
  • Site: www.apartheidmuseum.org
  • Tel: 011-309 4700
  • Preço: 30 randis (cerca de 7 reais)
  • Horário: 10am-5pm de terça a domingo.

 *O Viagem pelo Mundo viajou a convite do Turismo da África do Sul e da South African Airways


Booking.com

Ajude-nos a manter o site com conteúdo sempre gratuito!

Quando você faz uma reserva com um dos nossos links afiliados, você nos ajuda a viajar mais. E o melhor: você não paga nada mais por isso! Obrigada pela força! :)

Tags from the story
More from Deise de Oliveira

Seguro viagem julho/16

Vai viajar para o exterior? Nem pense em viajar sem um seguro...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *