Sobre a África do Sul: 10 lições e curiosidades que aprendi

durban
facebooktwittergoogle_pluspinterest

Sobre a África do Sul: 10 lições que aprendi

Minha viagem para a África do Sul foi uma mais maiores surpresas que eu já tive na vida. Realmente não existe melhor maneira de se aprender sobre um país do que viajando para ele, comendo suas comidas, ouvindo suas músicas e conversando com suas pessoas. Quer saber o que mais nos interessou por lá?

  1. Língua: Como sou formada em Letras, fiquei encantada com o país. Você sabia que eles tem 11 línguas oficiais? São elas: Africâner, Inglês, Ndebele, Northern Sotho, Sotho, Swazi, Tswana, Tsonga, Venda, Xhosa e Zulu. A maioria da população fala mais do que um idioma e por isso é tão difícil de entender o inglês que eles falam: sua pronúncia vai depender de qual é sua língua materna. Das línguas oficiais, a mais falada é o Zulu (embora o inglês seja o mais utilizado nas grandes cidades). O mais interessante dessas línguas africanas locais é certamente os “clicking sounds”, fonemas que são praticamente impossíveis para um ocidental falar corretamente. Eles foram criados com base nos animais da selva e imitam os sons de sapos, cavalos, entre outros. Ficaram curiosos? Então veja este vídeo do Youtube com uma aula para falar essas consoantes.Sobre a África do Sul: 10 lições que aprendi
  2. Comida: tivemos a oportunidade de comer algumas comidas zulu e adoramos. A base de muitos pratos é o milho e o sabor é bem parecido com a comida aqui no Brasil. Teve um dia que a gente até comeu churrasco! Comemos bastante e nos sentimos em casa.Sobre a África do Sul: 10 lições que aprendi
  3. Apartheid: É impossível falar de África do Sul sem falar do apartheid. O regime de segregação racial que esteve em vigor entre os anos de 1948 e 1994 acabou, mas o seu resultado é evidente em todos os lugares onde estivemos. Os brancos continuam sendo mais ricos e com melhor educação, enquanto os negros continuam sendo a parcela mais pobre da população. Quer saber mais sobre o apartheid? Veja nosso post sobre o Museu do Apartheid em Joanesburgo.
  4. Negros: Você sabia que 80% da população da África do Sul é negra? Apenas cerca de 7% da população é branca e 3% de origem asiática. Os brancos são tão poucos que quase não os vemos, e quando os vemos, eles estão sempre dentro dos seus carros.Sobre a África do Sul: 10 lições que aprendi
  5. Vinhos e o chá: Os vinhos da África do Sul estão entre os melhores do mundo e nós pudemos comprovar. Depois falarei com mais detalhes sobre os vinhos que conhecemos lá. Já o chá que mais me chamou a atenção foi o Rooibos, uma planta que só cresce na região de Cape Town e que tem altos índices de antioxidantes e nenhuma cafeína. Eu tomava todos os dias e até comprei uma caixa para trazer para o Brasil.
  6. Copa do Mundo: todos foram unânimes ao dizer que a Copa foi uma coisa boa para o país. Estádios foram construídos ou reformados e muitos deles viraram atração turística. Estradas e aeroportos foram reformados e o turismo ficou mais organizado. A única questão é que a população da África do Sul é infinitamente menor que a do Brasil, então vamos ver o que vai acontecer por aqui… Quer ver como foi o nosso bungee jum no estádio de Durban?
  7. Música: é na música que fica mais visível que nós brasileiros viemos da África. Eles dançam igual a gente (ou será que nós dançamos igual a eles?) e os ritmos são bem parecidos.Antbear Guest House Drakensberg
  8. Roteiro fora do “turistão“: A África do Sul é muito mais do que safári. A região de Drakensberg, localizada na província de Kwazulu-Natal é um exemplo disso. Lá você tem trilhas incríveis e uma cadeia de montanhas que estão fora do roteiro turistão do país.
  9. Preço: A África do Sul é muito mais barata do que eu imaginava. Fiquei impressionada com a variedade de acomodação para todos os bolsos e com os preços dos restaurantes (cerca de 30% mais baratos do que em SP).
  10. Sorte: a última lição que eu aprendi é que sou uma pessoa de muita sorte. Fazer essa viagem foi um privilégio e ficará para sempre em minha memória. Conheci pessoas incríveis e uma cultura que apesar das agruras, continua forte e presente em todos os lugares por onde passamos.
Perdeu os outros posts? Então veja o que fizemos em Drakensberg (caminhada e visita às cavernas com arte rupestre e também voo de balão, safári e tirolesa) e Durban (salto do maior swing do mundo, mercado indiano, visita a uma township e a feira INDABA).

E você? Já viajou para a África do Sul? Gostou? Conte para nós!

 *O Viagem pelo Mundo viajou a convite do Turismo da África do Sul e da South African Airways 

Procurando hotel para a sua viagem?

Quando você faz a sua reserva através dos links deste blog, nós ganhamos uma comissão.  A gente te ajuda a viajar e vocês nos ajudam também! :) O Booking tem sempre ótimos preços de hotéis no mundo inteiro!

Receba nossos posts por email

* indicates required
facebooktwittergoogle_plusrssinstagram
Sobre Deise de Oliveira

Mestre em Literatura russa, blogueira e viajante compulsiva. Criadora do Viagem pelo Mundo, já estudou em Moscou e morou na França. Adora mergulhar e uma cervejinha com os amigos.
Siga-a nas redes sociais: Facebook
Twitter Google+

Comments

  1. says

    Gostei bastante das informações do post, embora eu tenha achado que o título não combina muito (foi bem diferente do que eu esperava a abordagem). Parece mais um post de CURIOSIDADES da África do Sul do que de lições aprendidas. Eu tenho uma série deste tipo lá no blog (Curiosidades sobre local “X”) e achei bem parecida. Gosto deste tipo de post (de escrever ou de ler).

    Gostei muito da África do Sul quando fui, tanto que em termos de país se tornou um dos meus preferidos. Tem muita diversidade, e muita coisa bonita para ver.

    Acompanhei sua viagem e adorei Deise! Drakensberg vai ficar para uma próxima vez para mim! Sim, pq um dia eu ainda volto lá!) ;-)
    bjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Post Anterior:
Post Seguinte: